O Forte das Terras Marginais review

Este é o meu segundo review das aventuras prontas para Old Dragon inspiradas em material clássico do D&D. Esta aventura segue o mesmo padrão da Cripta do Terror também editada pela redbox, com capa em cartão, formato pequeno, interior branco e preto e umas 60 páginas, porém possui menos ilustrações e mais mapas que a cripta.

A aventura é bem old school, tem pouquíssimos NPCs e uma história bem simples e clichê: os PJs chegam à um forte onde nas vizinhanças um grupo de goblins está se tornando poderoso e se organizando e eles são contratados para eliminar a ameaça. A história é toda genérica evitando mencionar nomes dos lugares, deuses, etc, para que o mestre adapte ao seu cenário.

No geral é uma boa aventura que sofre com os problemas de discrepância típicos do D&D como por exemplo o fato de que a aventura é feita para personagens de 1º a 3º nível, mas no próprio forte haverem soldados, um mago de 5º nível e dois cléricos de 7º nível que poderiam resolver o problema com os goblins com o pé nas costas e ainda pilhar tudo e arrecadar fundos para o forte, a igreja, etc. Ainda assim o comendador pode preferir não arriscar seus homens e oferecer 100 PO para cada aventureiro do grupo e mais o que conseguirem pilhar que costuma ser muito maior que a recompensa. Só o fato de os PJs saberem por experiência prévia que as cavernas estão abarrotadas com milhares de peças de ouro e uns goblins guardando já seria o suficiente para gerar uma corrida do ouro e vários grupos deveriam aparecer espontaneamente sem ninguém pagar recompensa (aliás pouca) nenhuma, ou os soldados do forte mesmo que ficam o dia inteiro atoa poderiam fazer isso e encher os bolsos como comentado anteriormente


Depois da descrição do forte e das precauções mágicas na guarda do comendador como o mago usar ver invisível e o clérico detectar mentiras nos grupos que querem falar com o nobre, a região ao redor do forte é descrita de forma genérica, como a floresta, colinas, planícies, etc. A fauna local é um tanto bizarra como por exemplo nas colinas habitam ogros, grifos, wargs, bandidos e zumbis, nos lagos e riachos encontra-se com bandidos, trogloditas, trolls, cobras, wargs e cavalos e nas montanhas com orcs, bandidos, ursos, ogros, mantícoras e u golen. Aliás isto me lembra dos soldados ociosos do forte que não fazem realmente nada, pois todos os locais ao redor do forte estão cheios de bandidos, que aliás não sei como conseguem sobreviver no meio do mato cheio de ursos, gorilas, ogros, trolls, zumbis e golens! Os bandidos devem ser muito fortes mesmo, aliás o comendador podia contratar eles mesmo para matar os goblins. Ou quem sabe eles se tocam que as cavernas estão cheias de moedas de ouro e resolvem sozinhos fazer seu trabalho de bandido e matar e pilhar os goblins, já que ficam ociosos passeando no meio de criaturas bizarras e sendo mortos pelos PJs.

Depois disto vem a parte das cavernas onde vivem os goblins. Na verdade existem várias dungeons diferentes habitadas por diferentes grupos de criaturas que habitam as montanhas que resolveram fazer um acordo se não se misturar indo habitar cada grupo em uma dungeon. Achei curioso criaturas caóticas conseguirem fechar um acordo desses que funcione tão bem sem as mais fortes indo detonar e pilhar as outras, mas vamos lá.

A primeira caverna é habitada por kobolds, são descritos os aposentos, armadilhas e os habitantes de forma tradicional sem grandes surpresas. Existem armadilhas de fosso, alarmes, passagens secretas, um boss kobold e seu tesouro. E assim seguem outras dungeons para serem exploradas pelo grupo: a caverna dos goblins, a dos hobgoblins, a dos orcs a do troll e finalmente a dos cultistas do caos que estão por trás da bagunça. Todas as dungeons têm mapas bem feitos, e o número de salas varia de 3 a 12 aproximadamente.

CONCLUSÃO

A aventura é bem simples e não deve agradar grupos experientes ou que gostem de histórias mais elaboradas. Para o iniciante, no entanto é um bom material, muito bem organizado, com mapas, estatísticas dos inimigos e fichas prontas de personagens. Trata-se de uma aventura do tipo matar/pilhar sem muita conversa. Apesar de ser old school, aventuras deste tipo costumam testar mais os personagens do que os jogadores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sistemas de RPG parte 1: Dados

Sistemas de RPG parte 3 - Evolução dos personagens