The Great Clans 6: Phoenix


CLÃ FÊNIX (PHOENIX)

Visão Geral
O fundador do clã Fênix foi o Kami Shiba, reconhecido como um dos mais inteligentes entre os Kami que caíram em Rokugan. Sua inteligência não foi o suficiente para lhe fazer imperador, mas ele não se importou em perder o Torneio Celestial, e foi um dos primeiros a jurar fidelidade a Hantei.
Shiba andou pelo império a procura de mortais que além de guerreiros também fossem sábios e estudiosos. Apesar deste tipo de pessoa ser raro nos primeiros dias do império, não era impossível acha-los. Entre essas pessoas havia algumas que eram admiravelmente notáveis, como a senhora Asako e seu marido Yogo. Eventualmente Shiba chegou a tribo de Isawa.
Isawa, além de ser um poderoso líder tribal, era um habilidoso feiticeiro que utilizava seu sangue para invocar os elementos para derrotar seus inimigos e proteger sua cidade. Naquela época ele tinha pouco conhecimento sobre os kami elementais e dos perigos de se usar o sangue para fazer magias – ele não tinha o conhecimento que o sangue podia ser utilizado para conjurar os espíritos malignos conhecidos como kansen. Mesmo assim sua magia era poderosa, apesar de ser crua e não natural.
Como líder tribal, Isawa tinha responsabilidade sob o bem estar de seus súditos e temia desafiar os Kami, pois sabia que isso poderia significar a destruição de seu povo, assim ele sugeriu uma aliança com Shiba desde que pudesse manter o governo de sua cidade. Shiba, que nunca prezou pela violência, considerou o acordo razoável e resolveu aceitar. Esta aliança tinha tudo para perdurar por muitos anos, se não fosse pela eclosão da Primeira Guerra.
Durante os conflitos contra os exércitos de Fu Leng, Shiba implorou para Isawa se juntar na defesa do império, mas ele não quis sair de sua comunidade e apenas despachou alguns de seus aprendizes. Os aprendizes fizeram um grande estrago nas tropas das Shadowlands, principalmente Yogo – que como punição foi amaldiçoado por Fu Leng e teve que fugir do clã. Posteriormente ele foi convencido por Bayushi a entrar para o clã Escorpião.
Durante o momento mais crítico da Primeira Guerra, surgiu Shinsei, e Shiba ficou fascinado pelo mortal, cuja sabedoria era incomparável. Toda a conversa do pequeno mestre com o imperador foi documentada por Shiba e este tomo ficou conhecido mais tarde como o Tao de Shinsei. Quando chegou o momento de Shinsei escolher os Sete Trovões, Shiba implorou para que o pequeno mestre o escolhe-se, mas Shinsei foi enfático ao dizer que os campeões deveriam ser mortais, e lhe disse: “As fortunas favorecem o homem mortal”. Shinsei precisava de Isawa e não de Shiba.

Os dois viajaram até a cidade de Isawa, e encontraram-no realizando um ritual nefasto que unia a alma de sua filha recém falecida a muralha da cidade para fortalece-la contra as hostes de Fu Leng. Shinsei passou a noite toda conversando com Isawa, lhe explicando a maneira dos kami e uma nova forma de magia. Isawa ficou impressionado, mas disse que sua comunidade era sua prioridade e ele não a abandonaria. Shiba solicitou que Isawa acompanhasse Shinsei, mas diante de suas constantes negações o Kami fez algo impensado para alguém considerado um deus, ele se ajoelhou diante de Isawa, um homem mortal.
Shiba prometeu que protegeria a família de Isawa por toda a eternidade se ele se unisse a Shinsei e os Trovões. O ato de Shiba impressionou Isawa e ele concordou em ser um dos Trovões. Sua magia ajudou a prender a alma de Fu Leng nos doze pergaminhos negros e acabar com a Primeira Guerra, salvando o império. Seus conhecimentos junto com os ensinamentos de Shinsei deixaram um enorme legado ao império, pois seus descendentes puderam desenvolver a verdadeira magia elemental que é praticada em Rokugan até os dias de hoje.
História
Existem diversas histórias que tratam da morte de Shiba, mas a mais aceita atualmente conta que ele partiu para as Shadowlands para resgatar os Sete Trovões após sua vitória contra Fu Leng. Lá ele encontrou Shinsei e Shosuro lutando pela vida em uma batalha contra o Primeiro Oni. Shiba deu sua vida para derrotar a criatura, dando a oportunidade para Shosuro chegar ao império com os doze Pergaminhos Negros.
Conta-se que no exato momento da morte de Shiba, seu filho Shiba Tsuzaki saiu do palácio da família, retornando momentos mais tarde com um brilho diferente nos olhos e dizendo as seguintes palavras: “Meu pai está morto, mas ele viverá eternamente em seus descendentes”. Graças aos ensinamentos de Shinsei, Shiba aprendeu a transferir sua alma para seus herdeiros no momento de sua morte, permitindo que ela permaneça junto de seu clã para sempre.
Assim, sempre que o Campeão do Clã morre, sua alma se une a alma de Shiba e elas vagam a procura de um herdeiro valoroso. O herdeiro, sempre da família Shiba e parente do antigo Campeão, passa a ouvir as vozes dos antigos Campeões lhe incentivando a se tornar o novo Campeão do Clã e compartilhando sua sabedoria ancestral. Apesar de isso ser uma grande vantagem, às vezes isso se torna bastante incomodo quando demora-se muito tempo para localizar o sucessor. Os Isawa desenvolveram magias para acelerar o processo, mas passar um mero guarda do castelo a Campeão do Clã nunca é algo trivial. Entretanto, a alma de Shiba nunca falhou em selecionar o Campeão correto para o período por qual o clã está passando.
A descoberta e transformação de Shiba não impactou apenas sua família. Após ele visitar seu filho, Shiba apareceu para Asako. A ela, Shiba revelou o que Shinsei lhe ensinou e pediu que ela guardasse o segredo até que a humanidade estivesse pronta para recebê-lo. Esse ensinamento recebeu o nome de Caminho do Homem, e revela que o homem não pode apenas transformar seu destino e compreender os elementos, mas também ascender à divindade. Asako ficou extasiada com este ensinamento, e fundou uma ordem monástica secreta, autoproclamada henshin, para preservar o conhecimento e aperfeiçoá-lo.
Embora o ensinamento e a ordem tenham sido mantidos em segredo, os descendentes de Isawa estavam cientes da Alma de Shiba e sabiam que ela transmitiu algum tipo de conhecimento a Asako. Quando Asako se recusou a compartilhar o conhecimento, sentimentos de rivalidade e desconfiança nasceram entre as duas famílias.
O ápice dessa rivalidade resultou na tragédia conhecida como O Último Desejo de Isawa. O Último Desejo de Isawa era artefato mágico muito poderoso construído para ser oferecido como presente de casamento à filha de Isawa, Akiko, com o único filho de Asako, Sagoten. A construção do artefato foi prejudicada pela morte de Isawa e o desaparecimento de Yogo, mas após a recusa de Asako de compartilhar o conhecimento da Alma de Shiba, ele se transformou em uma fonte de conflito ao invés de um esforço de harmonia. Por fim, o casamento foi cancelado e o artefato foi escondido em um local remoto.
As duas famílias passaram a disputar a posse do artefato incompleto, chegando a se acusarem durante uma corte imperial. Para acabar com o conflito interno, o imperador Hantei, determinou que a posse do Último Desejo de Isawa deveria passar para a família Shiba, e esta deveria desfazer o artefato imediatamente.
Mas apesar de incompleto o artefato era muito poderoso e se tornou consciente, conseguindo inclusive dominar a mente daqueles com intenção de lhe controlar ou destruir. O conflito entre Isawa e Asako havia tornado a consciência do artefato desequilibrada e sua destruição poderia custar à vida de milhares de pessoas. Assim, por decreto imperial, o artefato deveria ser mantido incompleto e trancado para todo o sempre. No entanto, mais de um shugenja tentou usar seus poderes, resultando apenas em sua completa destruição assim que o poder e a loucura do artefato tomava conta de seu ser. Durante o reinado de Toturi III, no século XII, o campeão do clã Fênix, Shiba Mirabu, foi possuído o artefato ao tentar controlá-lo, mas foi levado a loucura. Por fim, o homem e o artefato foram destruídos por Isawa Sezaru, o maior shugenja de seu tempo.
Após a primeira geração depois da Primeira Guerra, o clã Fênix tomou a forma que manteve nos próximos mil anos. A família Shiba era formada por guerreiros que mantinham as fronteiras do clã, a família Isawa perseguia os conhecimentos mágicos e a sabedoria religiosa e a família Asako mantinha a história do império enquanto guardava em sergredo os ensinamentos do Caminho do Homem.
Enquanto os Shiba lideravam o clã oficialmente com a figura do campeão do clã, os Isawa eram os verdadeiros líderes do clã, e criaram o Conselho Elemental, onde os shugenja mais poderosos do clã em cada um dos cinco elementos apontavam o caminho que o clã deveria seguir.
Os Isawa sabiam que certos conhecimentos eram perigosos demais para serem expostos, e por isso eles transformaram seu palácio em uma fortaleza onde diversos conhecimentos mágicos eram guardados para que não caíssem em mãos erradas, tornando-o um alvo para os praticantes de magia negra.
O acontecimento mais nefasto da história do clã é conhecido como as Cinco Noites de Desonra. Alguns anos antes, um poderoso shugenja chamado Isawa Chuda salvou o imperador de um ataque de feiticeiros do sangue, e por esse ato ele recebeu a grande a honra de fundar um clã menor. Chuda fundou o clã da Serpente, destinado a rastejar pelos locais secretos do império e acabar com seus inimigos.
Mas após o campeão do clã, Chuda Choro, ficar doente, seu filho em desespero entoou uma prece proibida para tentar salvar o pai. A prece foi atendida por um demônio que acabou corrompendo o rapaz e todo o clã. Ao saber do acontecido, o Conselho Elemental não teve outra saída a não ser exterminar o clã da Serpente, levando todo o exército do clã Fênix ao território do clã menor. Durante cinco dias os soldados do Fênix mataram todos as pessoas do clã, inclusive mulheres, crianças e eta (pessoas da mais baixa casta da Hierarquia Celestial – a divisão de classes de Rokugan).
O período da Guerra dos Clãs também foi uma época tenebrosoa para o clã. Sentindo o poder crescente de Fu Leng, o Conselho Elemental decidiu abrir os pergaminhos negros em sua posse para tentar descobrir os seus segredos, e o pior, conjuraram um oni em busca de maiores conhecimentos para lidar com a crise. Esses atos acabaram infectando os membros do Conselho com o Taint das Shadowlands, que acabou por corromper o Mestre do Fogo, Isawa Tsuke. O Mestre do Ar, o Mestre da Água e o Campeão do Clã se sacrificaram para acabar com a ameaça de Tsuke. O Mestre da Terra, Isawa Tadaka, mesmo infectado, se tornou o Trovão do Fênix e confrontou Fu Leng no Segundo Dia do Trovão. Ele faleceu durante o confronto. Após a Guerra dos Clãs, o clã Fênix encontrava-se devastado, mais da metade de seus samurais mortos e apenas o Mestre do Void vivo.
Durante a Guerra Contra a Sombra, o clã Fênix recebeu um reforço inesperado. Revoltados com as ações de sua Campeã do Clã, Hitomi, a família Agasha abandonou o clã Dragão pedindo abrigo no clã Fênix. O Fênix lhe recebeu de braços abertos, e os Agasha se tornaram a quarta família do clã, inclusive com seu daimyo se tornando o Mestre do Ar do conselho Elemental. A relação entre Dragão e Fênix, outrora cordial, se tornou fria.
Após a conclusão da Guerra Contra a Sombra, o clã Fênix lutou para reestabelecer sua relevância e papel dentro do império. Durante a Corrida Pelo Trono, o clã tentou manter os conflitos o menos sangrento possível, se sacrificando em prol do império. Atualmente o clã sofre com as invasões de bárbaros do norte, mas permanece com a fé de que não importa o que aconteça, o clã irá sempre renascer das cinzas.
Famílias
A maioria das famílias do clã Fênix convivem a milênios, mas nem por isso elas são harmoniosas. A rivalidade entre Isawa e Asako apenas prejudica o clã, enquanto os Shiba prometeram servir os Isawa, nem todos concordam com o principio pacifista imposto pelo Conselho Elemental. Como os Agasha não possuem conflitos com ninguém, eles podem ser amigos de todos.
Os Agasha são os alquimistas do clã, misturando componentes naturais para criar objetos com poderes variados. Os Asako atuam como estudiosos, reunindo novos e antigos conhecimentos para o clã. Os Isawa são os líderes do clã e são reconhecidos como os mais poderosos shugenjas de Rokugan. Os Shiba servem como os protetores dos clãs, e seus samurais servem como yojimbo (uma espécie de guarda-costa) para os shugenja Isawa.
Agasha
A família Agasha é a mais nova família do clã Fênix. Originalmente essa família pertencia ao clã Dragão, e sua fundadora foi uma precedente no estudo da natureza e dos kami. Acostumada a documentar todas as suas pesquisas e descobertas, Agasha tinha uma abordagem quase científica em seus trabalhos, mas isso não era bem visto com bons olhos pela tradição Rokugani, dessa forma o clã mais adequado para sua atuação era o Dragão.
Agasha Kurou
Agasha Kurou
No entanto, em anos mais recentes, o governo caótico da Campeã do Clã Dragão, Mirumoto Hitomi, criou uma guerra civil dentro do clã, e os Agasha, como um protesto a esse comportamento, decidiu abandonar o clã. Tal ato foi bastante questionado no império, uma vez que a forma honrada de protestar contra as ações de seu superior seria a família toda cometer sepukku. Mas aconteceu que o Fênix, arrasado após a Guerra dos Clãs, aceitou os Agasha de braços abertos, fazendo uma grande rivalidade nascer entre os clãs vizinhos.
Esse fato moldou o comportamento da família nos últimos anos. Uma vez que alguns os veem como traidores, os Agasha preferem ficar em suas terras no Clã Fênix e não ter muito contato com o mundo exterior. Quando são obrigados a deixar suas terras, eles fazem de tudo para passar uma imagem agradável da família o tempo todo.
Apesar de ser uma família do clã Fênix, os Agasha mantém muitas características do seu antigo clã. Os membros dessa família tendem a ser quietos e contemplativos, tendo comportamentos misteriosos e estranhos. Eles também tentam o máximo a evitar a política, deixando isso para as outras políticas e focando seus esforços nos estudos.
Outra característica mantida pela família é o recebimento de uma tatuagem pelo jovem samurai após seu gempukku. Essa pode ser a primeira de muitas tatuagens, que eles gostam de exibir com orgulho. Isso faz com que as vezes deixem a mostra uma parte de sua pele, algo considerado extremamente indecoroso pela etiqueta do império.
Os Agasha também são reconhecidos pela alquimia, um conhecimento deixado por sua ancestral que ensina como combinar elementos naturais para criar poções e outros itens que manifestam os poderes elementais sem ter que conjurar um kami. Esse tipo de conhecimento é considerado estranho para os outros clãs, e terem-no levado para outro clã é uma das razões que fazem dos Agasha persona non grata no clã do Dragão.
Asako
Asako Misako
Asako Misako
Lady Asako foi um dos primeiros mortais a seguir o Kami Shiba. Ela não era guerreira, mas uma mulher pacifista que atuou como curandeira durante a Primeira Guerra. Seu marido, Yogo, era um grande shugenja, mas devido a maldição de Fu Leng colocou nele e em seus ancestrais, se viu obrigado a abandonar do clã. Asako ficou abalada com a decisão do marido, mas se manteve fiel a Shiba e a seu filho, prometido em casamento a filha de Isawa. Sua fidelidade foi recompensada com a transmissão do conhecimento do Caminho do Homem pela Alma de Shiba.
A família Asako é bastante peculiar. São orgulhosos sem ser convencidos, otimistas sem serem arrogantes e pacifistas sem serem fracos. A maioria deles atua como pesquisadores e historiadores, documentando conhecimentos em geografia, história, costumes e mesmo outras ciências. Enquanto uns passam a vida toda dentro de bibliotecas, outros viajam em busca de conhecimento e servem como diplomatas para o clã, apesar de preferirem deixar a política para os Isawa e Shiba.
Alguns Asako demonstram talento para a magia, uma vez que são descendentes de Yogo. Esses indivíduos são treinados pelos Isawa, mas dificilmente chegam aos mais altos graus de conhecimento e poder mágico. Muitos desses acabam servindo aos Inquisitores, um grupo de monges treinados para caçarem Maho Tsukai (feiticeiros do sangue). Trilhar esse caminho é estar em constante perigo, pois há momentos em que é difícil discernir o certo do errado, por isso os Asako vigiam esse grupo de perto.
Os Asako vivem em uma das terras mais bonitas do império, e por isso frequentemente recebem a honra de sediar a Corte de Inverno Imperial – um fato que tem contribuído para sua consolidação como courtiers do clã. Sua terra também favorece aqueles que procuram um lugar calmo para meditar, por isso não é difícil encontrar um Asako cavando os mistérios da alma em uma floresta remota ou as margens de uma montanha.
Isawa
Os Isawa são o verdadeiro coração do clã Fênix. Eles são a mais numerosa e poderosa família de shugenja do império, e possivelmente são maior do que todas as outras famílias de shugenja juntas.
Os Isawa são a única família que, além de estudarem magias dos quatro elementos, também estudam as magias do Void, lhes dando uma grande variedade de poderes e habilidades.
Isawa Emori
Isawa Emori
A família foi fundada por Isawa e seus filhos, que eram, no principio, feiticeiros e sacerdotes das Fortunas. Quando Shinsei chegou a seu território, lhes ensinou uma forma de buscar uma maneira mais iluminada de magia, a arte de conjurar os kami elementais. A sabedoria de Shinsei desafiou a alma competitiva dos Isawa, mas assim que enxergaram sabedoria nas palavras do pequeno mestre, eles adotaram seus ensinamentos de bom grado. Assim, quando o imperador declarou que o Shinseismo deveria ser incorporado a veneração das Fortunas, uma nova tradição de magia e religião se formou no império, moldando o papel do shugenja na sociedade Rokugani.
Os Isawa comandam o clã por meio do Conselho Elemental, formado pelo mais poderoso shugenja de cada um dos cinco elementos. Essa estrutura é única no império, mas os Isawa acreditam que isso assegura uma liderança mais sabia e equilibrada para o clã. Essa forma de liderança moldou o clã, principalmente no quesito pacifista. Os Isawa acreditam que cada vida é sagrada, uma vez que todos os mortais, do imperador ao mero aldeão, vieram da lágrima do sol e do sangue da lua, sendo preciosos. Por isso, a violência e a guerra devem ser evitadas a qualquer preço. Mas essa filosofia não combina muito com os Shiba, que são treinados como guerreiros prontos para o combate.
Os Isawa valorizam muito o poder mágico, assim eles testam suas crianças desde o dia do seu nascimento para saber sua afinidade com os kami. Alguns prodígios mostrarão afinidade com os elementos desde pequenos, mas mesmo os shugenja medíocres da família Isawa geralmente possuirão um maior controle sobre os elementos do que os shugenja de outros clãs.
Tal poder pode dar a impressão que os membros da família Isawa são um tanto quanto arrogante, mas eles são mais complexos do que isso. Por serem descendentes do primeiro shugenja, terem mais poder e conhecimento mágico que as outras famílias de shugenjas e, além disso, serem os guardiões do Tao de Shinsei, os Isawa se sentem responsáveis por todas as questões envolvendo magia e religião, da mesma forma que o clã Caranguejo se sente responsável por todas as questões que envolve as Shadowlands e o clã Garça nas questões envolvendo as artes.
A família Isawa possui milhares de rituais para serem seguidos, desde os mais rotineiros até os muito complexos para os dias de festividades. Eles estão sempre com o mundo espiritual em sua cabeça, e seus gestos podem ter sempre mais de um significado. Mesmo que seja considerado um exagero, os Isawa são tão familiarizados com a magia que ela passa ser a solução para uma série de problemas; seja a guerra, a corte ou uma construção, não há atividades que os kami não possam prestar auxilio. Por outro lado, os Isawa costumam considerar que os outros não estão prontos para conhecer seu poder e conhecimento, assim são relutantes em dividir seus ensinamentos com o resto de Rokugan e mesmo do clã, especialmente os Asako.
Shiba
Shiba Tsukimi
Shiba Tsukimi
A família Shiba possui uma posição única no império, é uma família de guerreiros fundada por um Kami, mas que nunca comandaram o clã. Assim como os outros Kami, Shiba procurou guerreiros para seguirem-no, mas quando Shiba prometeu proteger Isawa e seus descendentes, seus seguidores cumpriram seu juramento.
O relacionamento entre Shiba e Isawa é complexo e às vezes difícil, e isso não é surpresa, uma vez que as tradições de bushi e shugenjas são tão diferentes quanto o Céu e a Terra. Os Shiba aprendem a matar e se sacrificarem, enquanto os Isawa estudam como rezar e falar com os kami. Os Shiba têm um pouco de dificuldade em aceitar as atitudes pacifistas dos Isawa, mas cumprem seu juramento fielmente, o que também pode ser um pouco frustrante quando se protege um poderoso shugenja que insiste em fazer tudo o que quer.
Enquanto os Shiba são bushi, eles também são samurais do clã Fênix, e por isso estão sempre estudando o Tao e outros textos religiosos. Talvez pela convivência com os Isawa, os Shiba também procuram outras alternativas ao combate, e enquanto isso é visto como uma fraqueza pelos outros clãs, não se deve subestimar o estilo de combate desenvolvido por Shiba, pois ele é tão mortífero quanto qualquer outro. Os Shiba são respeitados por sua perícia com a lança e outras armas de haste, e também por suas ótimas armaduras, uma vez que seu número reduzido de guerreiros permite que seus artesões tenham mais tempo para se dedicar em cada peça.
Muitos samurais Shiba se voluntariam para o serviço de yojimbo, um guarda-costa que dedica sua vida toda a proteção de uma única pessoa. E se os samurais Shiba não são muito bem visto como soldados, na corte a visão é oposta. Por serem calmos, terem boas maneiras e possuírem conhecimento sobre Tao e outros assuntos os fazem bem vindos as cortes de todos os clãs. Raro é o samurai Shiba que se mostra mal educado e desrespeitoso, principalmente um relação a um shugenja, mesmo que de outro clã.
Conclusão
O clã Fênix é muito ligado à magia e a religião, e mesmo seus guerreiros possuem algum conhecimento relacionado a esses assuntos. No âmbito da magia, eles são as referências do império, e apesar de ser um clã pequeno e pacífico, o poder de seus shugenjas não pode ser menosprezados pelos outros clãs. Além disso, são os guardiões do Tao e gozam de muito prestigio na corte do imperador, possuindo uma grande influência política, principalmente quando a Corte de Inverno Imperial acontece em seu território.
Escolha ser um samurai do clã Fênix se você deseja ser:
  • um shugenja do fogo com conhecimentos para criar poções e outros itens alquímicos;
  • um courtier estudioso e com grande conhecimento nos campos de estudo humanos e sociais;
  • um shugenja focado, extremamente habilidoso com as magias do elemento selecionado (inclusive o Void); ou
  • um guerreiro refinado, conhecedor dos caminhos da magia e religião, pronto para dar a sua vida para defender seus protegidos.
    Por Rafael Silva, rede RPG

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Shadowrun 5ª edição em português

Sistemas de RPG parte 1: Dados

Symbaorum review parte 1