I.A: Singularidade Científica

Um tema muito abordado em ficção científica é a Singularidade Científica, que é o ponto em que a tecnologia vai evoluir até as máquinas superarem o homem em inteligência e nós nos tornarmos descartáveis. Encontrei este artigo super interessante sobre isso no Mistérios do Mundo:


Vários filmes de ficção científica já trataram a respeito desse tema. Em “A.I.” (inteligência artificial), cria-se um menino-robô capaz de pensar por si próprio e ainda amar (algo que nenhuma máquina é capaz de fazer hoje). No filme “Eu Robô, a situação é semelhante: uma máquina é capaz de agir como os humanos. Em “O Homem Bicentenário”, um robô torna-se humano tendo inclusive sangue e órgãos (algo desafiador para a medicina). Já em “O Exterminador do Futuro” e suas sequências, além das máquinas pensarem por si próprias, elas decidem dominar o mundo em uma apocalíptica guerra entre humanos e robôs. No filme “Matrix”, a situação é semelhante e além disso, o filme mostra uma realidade virtual criada.
Inteligência Artificial
Mas será a inteligência artificial um mero elemento da ficção científica, algo que jamais irá acontecer na realidade? Ou será que é possível?

Primeiramente, falar em Inteligência Artificial não é simplesmente falar em computação. Apesar de já haver avanços notáveis nessa área, para podermos pensar em I.A., é necessário associar um vasto conhecimento computacional com a neurociência,  a biologia molecular,  a robótica, a epistemologia, a sociologia, a psicologia e a matemática, além de outras áreas. Isso porque para criarmos algo semelhante a nós, precisamos nos conhecermos antes.
Uma característica exclusiva dos seres humanos, até então, é a capacidade de inventar, imaginar hipoteticamente, pensar matematicamente e resolver situações não-concretas. Se existisse uma máquina que pensa tanto quanto os humanos, com certeza ela deveria atender a esses requisitos. Mas como construir uma máquina capaz de aprender? Esta é a objeção de Lady Lovelace: “uma máquina é capaz de fazer tudo o que saibamos programar, mas não é capaz de fazer algo realmente novo.”
Outro grande problema é que mal compreendemos nós mesmos. Se não sabemos exatamente todo o processo de nós pensarmos, como podemos implantar isso em uma máquina?
Inteligência Artificial
A utilização da inteligência artificial possui vária aplicações: Em jogos, como os de lutas, a máquina é capaz de analisar padrões nos movimentos do jogador e prevê-los em lutas seguintes, assim, em níveis mais avançados dificilmente uma pessoa derrotaria-a. Em jogos de tiros, quando os jogadores enfrentam as máquinas, elas são capazes não só de detectar caminhos, mas de buscar obstáculos e planejar táticas para eliminar o adversário. Com isso, a indústria do entretenimento é a grande beneficiada. Sistemas de busca, aplicações de algoritmos genéticos, robôs assistentes em cirurgias são outras aplicações da inteligência artificial.
Atualmente, investe-se bastante nesse assunto, exemplos disso são a nanotecnologia e a fabricação de androides.
Veja abaixo um documentário produzido recentemente pela BBC sobre inteligência artificial:
É incerto dizer se podemos avançar mais com a I.A. ou se não há mais o que fazer. Também devemos pensar nas consequências que ela poderá trazer à humanidade. Será que um dia as máquinas pensarão por si próprias? Ou é uma mera ficção científica?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sistemas de RPG parte 1: Dados

Sistemas de RPG parte 3 - Evolução dos personagens