UED: United Earth Defense review


Apesar do nome em inglês, este é um RPG nacional de ficção científica escrito por Julio Matos e Fabiano Saccol e com ilustrações de Diego Madia e editado pela Unza RPG. O livro físico ainda não saiu, mas quem comprou na pré-venda ganhou o PDF e é este que estou revisando. Na pré-venda haviam 3 pacotes diferentes com preços muito convidativos sendo apenas o PDF vendido por , o livro físico por , e o kit com livro, PDF, escudo do mestre e fichas de PJ e armaduras por .

O livro é tamanho pequeno e contém cerca de 130 páginas com interior branco e preto. Tem poucas ilustrações no interior que são bem simples, mas captam a idéia do jogo. O texto é simples e tem poucos erros de digitação. Cada um dos 5 capítulos tem um conto inicial que também são simples, mas transmitem bem o ambiente do jogo.

CENÁRIO


O cenário é pós apocalíptico onde a raça mana quase se extinguiu após a terra ter sido invadida por alienígenas que exterminaram sistemáticamente os humanos e logo depois veio uma nova era glacial. Os humanos que restam vivem em abrigos subterrâneos chamados aglomerados e sofrem de uma extrema escassez de recursos, principalmente energéticos. Por isso um grupo de pessoas pertencentes à UED chamados de runners se aventuram no exterior dos aglomerados usando armaduras aquecidas e carregando pouca munição para Levar mensagens entre os aglomerados, conseguir baterias alienígenas que sã usadas para aquecer o aglomerado, mover máquinas e outras coisas que os engenheiros e mecânicos conseguirem adaptar e etc.

Me lembrou um pouco as cidades de Matrix. O cenário é simples, mas funciona. Ele deixa propositalmente muitas partes abertas para ser desenvolvida pelo mestre como por exemplo quem são os alienígenas? Com o que eles se parecem? O que vieram fazer na terra? Etc. O cenário é interessante, mas pela simplicidade não me vejo jogando por muitos meses. Acredito que deva ficar repetitivo a menos que o mestre botar a imaginação para funcionar.

SISTEMA

O sistema é bem interessante e simples também. Os personagens têm 3 atributos e 3 bônus fixos e a armadura tem um atributo de blindagem. Os atributos são medidos em dados. Assim um atributo pode ser 1d4 e outro 1d10. A jogada é feita somando a jogada do dado do atributo com o bônus apropriado para a situação e se houver, mais algum bonus situacional, contra uma dificuldade definida pelo mestre.

A grande novidade aqui é que cada atributo tem um número limitado de dados na pilha e os jogadores devem pensar bem para fazer a jogada pois estes dados acabam. Foi uma maneira muito interessante de simular a escassez de recursos. Assim quando os dados da pilha de armamentos acaba significa que você ficou sem munição.

Outro ponto muito interessante é que você constroi os PJs com pontos e esses mesmos pontos são usados para construir o aglomerado dos PJs. Assim cada PJ deve contribuir com alguma quantidade de seus pontos de criação para montar o aglomerado e quanto mais fortes forem os PJs mais fraco será o aglomerado e vice e versa. O aglomerado que fornece basicamente os recursos aos PJs, ou seja, os dados das pilhas.

PERSONAGENS

Existem 4 classes de PJ à disposição dos jogadores: soldados, mecânicos, pesquisadores e sobreviventes. Cada um tem uma lista de habilidades que se ganha quando sobe de nível. Por exemplo o soldado já começa o jogo com 2 dados a mais na reserva de coragem e quando atinge rank 1 escolhe uma qualidade para ganhar +1.

Eu achei a quantidade de tipos de personagens pequena. A maioria dos RPGs têm pelo menos 7 a 8 "classes" para os jogadores explorarem ou as fichas são mais complexas permitindo um número grande de variações da mesma classe. As habilidades de classe são bem variadas e interessantes.

INIMIGOS E ETC

O livro tras poucos inimigos entre animais, renegados e 3 tipos de máquinas alienígenas. Apesar de pouca quantidade de inimigos eles cumprem o que o cenário propõe e servem de base para o mestre criar seus próprios desafios. Há ainda uma descrição do aglomerado Zion, uma aventura e um modo alternativo de combate tático em grid hexagonal.

CONCLUSÃO

Eu achei UED um bom jogo com idéias interessantes. O cenário não chega a ser original, mas é uma combinação que funciona. O gerenciamento de recursos é bem bacana. Uma ótima aquisição para o RPG nacional. Pela simplicidade ele deve atrair jogadores iniciantes. Como vantagem ele também conta com a facilidade em mestrar com mínimo book keeping.

Mtos pontos ficaram em aberto no livro e vejo para o futuro possíveis suplementos detalhando a vida dentro dos complexos, os aglomerados principais e a relação entre eles, o que aconteceu em outros continentes e claro, mais classes de personagens.

Não podia deixar de mencionar aqui que os autores liberaram de forma gratuíta a engine do sistema do jogo chamada de Lost Dice, para que outras pessoas possam criar jogos de sobrevivência. Eu estou louco para ver um zombie apocalipse!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sistemas de RPG parte 1: Dados

Shadowrun 5ª edição em português

OOPART: O parafuso de 300 milhões de anos