Fate of the Norns: Ragnarok review

Finalmente consegui jogar FOTN este fim de semana e vou passar aqui as impressões do jogo em uma pequena review.


O livro é muito bonito em capa dura, todo colorido com 364 páginas ilustradas em um estilo próprio muito interessante. De fato eu joguei a aventura Fafnir's Treasure que vem em outro livro de 130 páginas contendo personagens prontos e um versão um pouco mais light das regras.

O grande diferencial deste RPG é que ele usa runas em vez de dados para jogar. São 25 runas diferentes sendo que cada jogador começa com 7 runas que vão em uma sacola opaca para serem sorteadas à cada ação e estas runas são colocadas em um tabuleiro onde são movimentadas por casas específicas. O sistema é bastante simples, mas no começo dá um pouco de trabalho para acostumar.


Existe um box para comprar com todo este material, mas eu fiz o meu material e ficou muito bom gastando em torno de R$ 50,00. Imprimi os tabuleiros em uma gráfica e os plastifiquei e fiz runas de madeira.

O CENÁRIO


Este além de um jogo de Vikings é um jogo apocalíptico, pois o mundo está mergulhado em trevas na segunda era do Ragnarok chamada de Fimbulwinter, o inverno eterno. Não existem mais plantações, a sociedade ruiu e os homens se viraram uns contra os outros. Os deuses Aesiris e os Gigantes Jotuns prestam cada vez mais atenção em Midgard, o reino dos mortais, à medida que a batalha final se aproxima. Criaturas fantasticas e emissários dos deuses caminham na terra. Os lobos celestiais devoraram o sol, a lua e as estrelas e o mundo é uma perpétua escuridão gelada. Ao norte é possivel ver a luz emitida pela ponte Bifrost. Os personagens são mercenários, bruxas, skalds (espécie de bardo), etc.

O SISTEMA

Dá um pouco de trabalho para o jogador porque cada runa é linkada à uma skill, um poder passivo e um poder ativo e ele deve se lembrar de tudo, principalmente os poderes passivos para não comer bola durante o jogo. Além disso como os jogadores vão estar com fichas, tabuleiros, o GM com 3 tabuleiros, mais um mapa, miniaturas, etc, você precisa de um bom espaço para jogar.


As runas são divididas em 3 tipos sendo as vermelhas físicas, as azuis mentais e as verdes espirituais. Quando for realizar uma ação o jogador compra algumas runas e vê quantas runas da cor da skill ele comprou. Cada runa daquela cor conta como um sucesso. Cada nível da skill conta como um sucesso também e ainda pode-se converter 2 runas da mesma cor em uma runa de outra cor qualquer. Um teste normal tem dificuldade 3.

Durante o combate as runas são compradas à cada turno e cada runa é usada para uma ação genérica como andar, atacar, etc, ou para fazer o poder específico ligado à ela. As outras runas compradas podem ser usadas para novas ações e poderes ou para aumentar os efeitos de um poder de outra runa. Não existem falhas no ataque. Cada runa é uma ação com sucesso automático. Pode-se ainda guardar alguma runa para ativar defesas ou anular certos ataques.

Muitos poderes são ligados à movimentação e posicionamento e eles recomendam usar miniaturas em um grid hexagonal. Eu não usei durante a sessão e não senti grandes problemas.

A AVENTURA


A aventura é bem linear. O grupo chega à cidadela de Evingard que vem enfrentando grandes problemas. O grupo vai investigar a cidade, ter oportunidade de lutar com PDMs fracos para aprender o sistema e depois partir para o objetivo final de encontrar o tesouro do Dragão Fafnir.

CONCLUSÃO

O sistema é muito interessante e tem um ar de jogo de tabuleiro e ele é muito bem explicado no livro com toneladas de exemplos. O cenário é muito original se diferenciando dos demais RPGs de Vikings. O material necessário para jogar é um ponto negativo, mas quem realmente se interessar pode fazer tudo com um pouco de esforço. Dois pontos que eu achei negativos: 1- O GM precisa de um tabuleiro para cada PDM no combate (cada tabuleiro do GM tem espaço para 2 PDMs, geralmente ele usa 3 tabuleiros para 6 PDMs) o que polui a mesa. 2- Os PJs têm muitos poderes de cura e os inimigos têm que ser realmente fortes para eles terem o risco de morrer e por isso o combate pode se prolongar entre os inimigos causando dano e eles curando, mas preciso jogar mais para ter uma impressão mais definitiva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Call of Cthulhu 7ª edição em português em FC!

Sistemas de RPG parte 1: Dados

RPGs de Zumbis parte 1